Candomble

Candomblé Crenças

Candomblé é uma religião "monoteísta"[6], embora alguns defendam a ideia que são cultuados vários deuses, o deus único para a Nação Ketu é Olorum, para a Nação Bantu[7] é Nzambi e para a Nação Jeje é Mawu, são nações independentes na prática diária e em virtude do sincretismo existente no Brasil a maioria dos participantes consideram como sendo o mesmo Deus da Igreja Católica.

Os Orixás/Inquices/Voduns recebem homenagens regulares, com oferendas de animais, vegetais e minerais, cânticos, danças e roupas especiais. Mesmo quando há na mitologia referência a uma divindade criadora, essa divindade tem muita importância no dia-a-dia dos membros do terreiro, como é o caso do Deus Cristão que na maioria das vezes são confundidos.

  • os Orixás da Mitologia Yoruba[8] foram criados por um deus supremo, Olorun (Olorum) dos Yoruba;
  • os Voduns da Mitologia Fon[9] foram criados por Mawu, o deus supremo dos Fon;
  • os Nkisis da Mitologia Bantu, foram criados por Zambi, Zambiapongo, deus supremo e criador.

    Leia mais:Candomblé Crenças

Sincretismo Candomblé

No tempo das senzalas os negros para poderem cultuar seus Orixás, Inkices e Voduns usaram
como camuflagem um altar com imagens de santos católicos e por baixo os assentamentos escondidos,
segundo alguns pesquisadores este sincretismo já havia começado na África, induzida pelos próprios
missionários para facilitar a conversão.
Depois da libertação dos escravos começaram a surgir as primeiras casas de candomblé, e é fato que
o candomblé de séculos tenha incorporado muitos elementos do Cristianismo. Crucifixos e imagens
eram exibidos nos templos, Orixás eram freqüentemente identificados com Santos Católicos, algumas
casas de candomblé também incorporam entidades caboclos, que eram consideradas pagans como
os Orixás.
Mesmo usando imagens e crucifixos inspiravam perseguições por autoridades e pela Igreja, que viam
o candomblé como paganismo e bruxaria, muitos mesmo não sabendo nem o que era isso.
Nos últimos anos, tem
aumentado um movimento "fundamentalista" em algumas casas de candomblé
que rejeitam o sincretismo aos elementos Cristãos e procuram recriar um candomblé "mais puro"
baseado exclusivamente nos elementos Africanos.